Simulados são o diferencial do Fibonacci

Simulados são o diferencial do Fibonacci

Alunos da instituição fazem cerca de 30 exames por ano e são preparados para encarar diversos modelos de prova

Referência no Brasil em preparação para o vestibular, o Colégio e Pré-Vestibular Fibonacci se notabilizou pela eficácia do suporte que oferece aos seus alunos ao longo do ano letivo. Além da excelente equipe de professores e do auxílio de monitoriais, a instituição possui, como diferencial, a realização de simulados semanais, em que os estudantes contam com uma preparação completa visando ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a outras provas de vestibulares importantes, como da Fuvest – que dá acesso à USP – e da Unicamp.

No Fibonacci, os alunos realizam cerca de 30 simulados por ano. O principal objetivo é deixar o candidato familiarizado com tipo de avaliação do Enem e provas de outros vestibulares, conforme explica o professor e coordenador pedagógico do Colégio Fibonacci, André Ricardo de Castro, conhecido como Coloide.

“O modelo de prova que é aplicado hoje no Brasil, seja o Enem sejam as provas da Fuvest e da Unicamp, por exemplo, tem um formato muito extenso. A prova do Enem tem 180 questões, cada uma com texto enorme, e a maior dificuldade da prova acaba sendo não o conteúdo, mas sim o tempo disponível para cada questão. O aluno tem que pensar rápido.

Coloide, professor e coordenador pedagógico do Colégio Fibonacci, afirma: “resultado é garantido com muito treino”

“Toda a preparação para o vestibular envolve fazer coisas semelhantes. Como Enem é o modelo que guia atualmente as universidades federais, o Fibonacci trabalha com aproximadamente 30 simulados ao longo do ano, justamente para que o aluno, no dia da prova do Enem, sinta que ele está simplesmente fazendo o seu 31º simulado no ano. O aluno se sentirá extremamente confortável. Afinal, aquele modelo de prova, o tempo, a estratégia que o candidato precisa ter para conseguir concluir a prova no tempo determinado, ele já estabeleceu isso ao longo dos 30 simulados que fez no ano”, pontua o professor.

Habilidade

No Grupo Fibonacci, os alunos obtêm a preparação conforme as necessidades do exame que irão fazer. Dessa forma, Coloide explica que o formato de questões dos simulados da instituição procura garantir uma preparação específica para os estudantes.

“O modelo de prova que é aplicado hoje no Brasil, seja o Enem sejam as provas da Fuvest e da Unicamp, por exemplo, tem um formato muito extenso. A prova do Enem tem 180 questões, cada uma com texto enorme, e a maior dificuldade da prova acaba sendo não o conteúdo, mas sim o tempo disponível para cada questão. O aluno tem que pensar rápido. Ele tem que dar conta de ler o texto, interpretá-lo e buscar a alternativa correta. Dessa forma, essa habilidade necessária de fazer a prova rápido, de saber pensar, administrar o tempo não tem como aprender em uma aula teórica. Isso, na verdade, só é desenvolvido com treino, treino e muito treino. E o simulado é um bom termômetro para isso, porque ele treina o aluno para fazer a prova em um tempo determinado, muito semelhante à do Enem. As questões têm o mesmo formato”, afirma.

Segurança

 Na concepção de Coloide, é importante que os estudantes não se “acomodem” com um único formato de prova, como o Enem. Ele frisa que, no Fibonacci, isso é trabalhado ao longo do ano, para que os alunos não tenham surpresas desagradáveis e estejam preparados para qualquer tipo de avaliação.

“Para o aluno que quer fazer Fuvest, que é um vestibular diferente, a prova também é enorme, então ele precisa ter um controle de tempo muito bom. Só que neste caso o formato de prova é um pouco diferente. As questões deixam de ser enormes e de interpretação e passam a ser questões mais conteudistas. Só que também é importante que o aluno tenha treinado esse formato de prova. Porque, às vezes, o aluno treinou apenas para a prova do Enem e, na hora que chega a avaliação da Fuvest, ele sente que não conhece a prova, passa a se sentir inseguro e não consegue responder até mesmo conteúdo que ele sabia. Por isso que, no Fibonacci, toda a preparação para o vestibular envolve fazer coisas semelhantes nos simulados”, enfatiza o professor.

Veja o que os nossos estudantes acham dos simulados: 

 

Simulado no Pré-vestibular e a sua importância.

Bruno Aguiar Martins (Fibobixo e Estudante de Medicina na Univaço)

Encare os simulados como uma prova para que consiga fazer sua prova como se fosse só mais um simulado. Tenho uma filosofia que guardarei para o resto da vida: se conseguiram fazer, eu também posso.

maria-luiza

 

Maria Luiza Feitoza (Fibobixo e Estudante de Medicina na Dinâmica)

O Grupo Fibonacci possui todos os caminhos para alcançar a sua aprovação. Faça todos simulados, redações e monitorias que virá a recompensa. Deu certo pra mim, dará certo pra você também!

 

matheus

Matheus Gardingo (Fibobixo e Estudante de Medicina na UFVJM)

O Fibonacci tem um diferencial que é a quantidade de simulados que mantém o aluno em um nível alto na questão dos testes para o vestibular e focado no objetivo que é a aprovação.